Brasil

Caixa aumenta limite de financiamento de imóveis usados

A Caixa Econômica Federal aumentou o limite de financiamento dos imóveis usados. É para dar um empurrão num setor que está em queda livre desde o ano passado.

Só na cidade de São Paulo, a venda de casas e apartamentos usados caiu mais de 20% no ano passado, enquanto que a quantidade de imóveis alugados aumentou muito.

“As pessoas necessitam morar. O valor da locação se iguala a uma prestação de financiamento imobiliário, então, para pagar a mensalidade, as pessoas têm o dinheiro. A dificuldade fica no momento da entrada, que pouca gente tem aquela poupança para dar num valor tão expressivo”, explica José Augusto Viana, presidente do Creci-SP.

E o valor era alto mesmo. Quem tem metade do preço de um apartamento para dar de entrada? É por isso que o mercado de imóveis usados estava mesmo parado no país e arrastava os novos também.

“O que acontece: ninguém vai comprar um novo se não vender o usado. Necessita o dinheiro do usado pra poder dar de entrada, complementar e passar para o novo”, afirma Viana.

É o caso do Renato Fortuna, que comprou um apartamento novo mas ainda falta pagar metade do valor. Para se livrar do financiamento, ele precisa vender o apartamento usado. Mas até agora, nada. “No prédio onde eu moro, em 15 dias a gente vendia um imóvel. Já estou há um ano pra vender”, afirma Renato Fortuna, representante comercial.

Para tentar dar um novo fôlego para o mercado imobiliário, a Caixa Econômica Federal anunciou nessa terça-feira que vai aumentar as linhas de crédito para imóveis usados que custam até R$ 750 mil nos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e no Distrito Federal; e até R$ 650 mil nos demais estados.

É uma boa notícia? Claro que é. Mas o crédito já foi melhor.

A Caixa financiava até 80% do valor do imóvel para trabalhadores do setor privado, até maio de 2015, quando caiu para 50%. A partir de 24 de março, o limite vai subir para 70%. Para clientes do setor público, o limite, que era de 90% em 2015 e caiu para 60%, vai voltar para 80% no fim de março.

O prazo máximo de financiamento é de 30 anos e a taxa de juros varia entre 7,85% e 8,85% ao ano.

O aumento da oferta de crédito também serve para dar um fôlego para a construção civil, que fechou muitas vagas nos últimos 12 meses no país.

Mas este o especialista em imóveis Eduardo Zylberstajn diz que precisa mexer em um importante pilar de sustentação: a confiança. “O mercado imobiliário e qualquer outro mercado não funciona se não houver confiança, se não houver segurança na decisão que as famílias tomam para comprar o imóvel”, diz Eduardo Zylberstajn, economista da Fipe.

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.