Colunas

COLUNA PSICOLOGIA NO AR: Lindando com o luto

Por Andressa Kasecker – Araucária no Ar

“A morte como perda nos fala, em primeiro lugar, de um vínculo que se rompe de forma irreversível, sobretudo quando ocorre perda real e concreta. Nesta representação de morte estão envolvidas duas pessoas: uma que é ‘perdida’ e a outra que lamenta esta falta, um pedaço de si que se foi. O outro é em parte internalizado nas memórias e lembranças. A morte como perda evoca sentimentos fortes, pode ser então chamada de ‘morte sentimento’ e é vivida por todos nós. É impossível um ser humano que nunca tenha vivido uma perda. Ela é vivida conscientemente, por isso é, muitas vezes, mais temida do que a própria morte. Como esta última não pode ser vivida concretamente, a única morte é a perda, quer concreta, quer simbólica” (KOVACS, 1992).

O medo da morte é tido como normal dentre os seres humanos, ele é construído dentro de nós desde sempre. Quando falamos sobre morte estamos falando sobre o desconhecido, aquilo que temos certeza de que um dia precisaremos enfrentar, porém não sabemos nem quando, nem como e nem onde.  O desconhecido nos causa desconforto, por que não temos controle sobre ele.

Com a perda de um ente querido somos forçados a romper vínculos e tudo que neste vínculo esta incluído, por exemplo, o carinho, reconhecimento, proximidade, troca, e diversos outros sentimentos e situações que nos precisamos romper com a ausência da pessoa.

Elaborar o luto é aprender a viver os sentimentos como eles realmente são, o choro, a tristeza, a necessidade de falar, a raiva, desapontamento e todas as formas que a pessoa pode vir a sentir, lembrando que somos todos diferentes, portanto vivenciamos o luto de diferentes formas.  Viver o luto é um processo lento que precisa ser realizado passo a passo, para que cada um destes passos possa ser superado de uma forma mais saudável e a pessoa reaprenda a viver com novas perspectivas. Frases como : “Não chore, não seja fraco, ele não gostaria de te ver assim” nem sempre ajudam, portanto cuidado ao utiliza-las, respeite o sofrimento da pessoa e entenda seu momento.

Algumas pessoas acabam por sentir os sintomas do luto com frequência, por um longo tempo e persistentemente, nestes casos podemos perceber que alguma das fases do luto não foi vivenciada corretamente, e a superação não chega.  Respeite seu sentimentos, mas se lembre que não se pode deixar ser dominado por eles por um longo período de tempo, a superação é necessária para que continuemos vivendo.

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.