Araucária

Com bens bloqueados da Prefeitura, servidores de Araucária temem não receber 13° salário. Em nota, prefeitura tranquiliza servidores

Um bloqueio de recursos do município na ordem de R$ 8 milhões, a pedido do Hospital Municipal de Araucária (HMA), coloca em risco o pagamento do 13° salários a servidores públicos de Araucária, na região metropolitana de Curitiba. A Procuradoria Geral do Município garante estar correndo contra o tempo para garantir o pagamento do 13° salário e também do salário de janeiro.

Servidores procuraram a reportagem para relatar o medo que toma conta dos servidores. “Estão falando que com esse bloqueio não vamos receber nada. As contas dessa gestão sempre estiveram em desordem e agora de novo isso”, disse uma trabalhadora, que pediu para não ser identificada.

A Prefeitura de Araucária enviou nota sobre o problema que está enfrentando:

De acordo com a administração municipal, um acordo entre Prefeitura e o Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH), responsável pela gestão do HMA, pactuava o pagamento de uma nova parcela a entidade no dia 27 de dezembro, porém o acordo não foi cumprido pela entidade que entrou com ação pedindo o bloqueio de recursos.

A administração foi pega de surpresa pela liminar por dois motivos: o primeiro foi que um pagamento na ordem de R$ 3,7 milhões havia sido feito no início deste mês, pagamento deu origem ao acordo de uma nova parcela para o dia 27 próximo. O segundo ponto foi a ausência de direito ao contraditório à administração municipal. Sem oportunidade de defesa de explicação do destino dos recursos bloqueados, cabe agora a prefeitura entrar com as medidas legais para a derrubada da liminar.

Ainda hoje a Procuradoria Geral do Município entrará com os recursos cabíveis para que seja concedido o desbloqueio das contas do município. “A muito custo estamos recolhendo os recursos necessários para o pagamento do décimo terceiro e dos salários. São cinco mil servidores, estávamos com os recursos em ordem para o pagamento, mas essa decisão de última hora comprometeu não somente o caixa da prefeitura, como o final de ano de todos os trabalhadores da administração pública municipal” desabafou o prefeito Rui Souza.

Agora, com o recesso do judiciário, os advogados do município somam todos os esforços possíveis para tentar salvar o final de ano de centenas de famílias que aguardavam o pagamento de seus vencimentos e benefícios. “Serão ajuizados no plantão de justiça dois procedimentos judiciais. O primeiro trata de um pedido de suspensão dos efeitos da liminar de bloqueio e outro um agravo de instrumento, também contra a liminar”, disse o procurador geral do município, Carlos Alberto Grolli.

Em contrapartida, o INDSH, responsável pela gestão e serviços do Hospital Municipal de Araucária (HMA) também enviou uma nota, alegando o motivo do pedido de suspensão:

Em respeito à população de Araucária e em resposta à nota da Prefeitura, o INDSH, responsável pela gestão e serviços do Hospital Municipal de Araucária (HMA), vem a público esclarecer que:

  • Desde agosto, a atual gestão da Prefeitura vem sistematicamente descumprindo suas obrigações com a população e repassando valores muito inferiores ao devido para gestão do HMA.
  • Até dezembro de 2016, a dívida com o HMA, reconhecida pela Justiça, é de R$ 7.632.970,73.
  • A nota da Prefeitura omite a verdade ao citar valores repassados ao HMA no último mês. Especificamente em dezembro, a prefeitura repassou tão-somente R$ 1.450.000,00 (ainda referentes a setembro), menos da metade do valor relativo a pagamentos de salários de médicos, funcionários, fornecedores, e manutenção básica e adequada do hospital.
  • Representantes do INDSH mantiveram diversas reuniões com membros da administração local, alertando sobre o risco iminente de paralisação dos serviços, além de informar o problema à população em nota publicada em 17 de novembro.
  • Ao contrário do que diz a nota da Prefeitura, não houve nenhuma garantia formal de repasse no dia 27 de dezembro. Isso só ocorreria caso houvesse verba disponível, o que diante do histórico da dívida era uma incógnita.
  • Diante de tal cenário caótico, não restou ao INDSH senão recorrer ao Judiciário, no sentido de garantir os serviços e evitar paralisação total da unidade e prejuízos diretos à vida de pacientes.
  • Isso só não ocorreu até o momento graças ao sacrifício e trabalho dedicado de médicos, enfermeiros, funcionários e fornecedores, que mantiveram o atendimento inalterado, mesmo com atraso de pagamentos.
  • O INDSH, instituição sem fins lucrativos, é responsável pela gestão do HMA desde 11 de novembro de 2014, atuando sempre com transparência e responsabilidade. Durante todo esse tempo teve suas contas acompanhadas e fiscalizadas, aprimorando continuamente a qualidade dos serviços, com cursos e treinamentos.
  • Assim, tal desfecho não pode ‘causar estranheza’ aos responsáveis pela Prefeitura, uma vez que, como reconhece a liminar concedida pela Justiça, “a ausência de repasses financeiros contratados por óbvio prejudica a efetiva prestação dos serviços essenciais de saúde dos munícipes”.
  • Ressaltamos a confiança que a nova administração municipal consiga, a partir de janeiro, com sensibilidade e competência, recuperar a credibilidade da gestão pública e o equilíbrio do HMA.

Redação com informações BandaB e SMCS

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.