Brasil

Condições precárias do Beto Carrero colocam o parque na lista de “perigosos”

O Beto Carrero World foi considerado um dos parques de diversão que mais apresentam problemas, segundo a Proteste – Associação Brasileira de Defesa do Consumidor. Condição dos brinquedos, infraestrutura e acessibilidade foram alguns dos itens avaliados pelo estudo, realizado em fevereiro de 2017 e publicado nesta semana. Além do Beto Carrero, localizado no litoral norte de Santa Catarina, outros parques receberam críticas, como o Hopi Hari, Parque da Mônica e Parque Marisa, todos de São Paulo. Todos foram escolhidos aleatoriamente e as visitas realizadas de forma anônima.

Em outubro do ano passado, a Proteste realizou um estudo sobre parques de diversão itinerantes em três estados brasileiros e encontrou uma série de falhas. Por isso, surgiu a ideia de investigar os parques de diversão fixos e de relevância nacional.

“Os parques são reconhecidos por excelência e têm aspectos positivos, mas há o que melhorar, tanto no trato com o consumidor quando na questão de estrutura”, afirma a engenheira de segurança da Proteste e coordenadora do estudo, Viviane Terra.

Brinquedos

O Beto Carrero World foi inaugurado em 1991 e fica a 207 quilômetros de Curitiba, na cidade de Penha, em Santa Catarina. É dividido em 9 áreas temáticas, com inúmeras atrações. Algumas delas foram destacadas pela Proteste devido a falta de manutenção e segurança.

Um dos escorregadores espalhados pelo parque estava com pinturas descolando, escadas enferrujadas e com ausência de materiais que atenuam o impacto de queda, como areia e grama.

O brinquedo ‘Bolha Aventura’ está com a treliça de apoio da estrutura solta, sobrecarregando as demais. Segundo a especialista, esse é um problema gravíssimo. “É absurdo. Essa falta de fiscalização pode causar um acidente e machucar gravemente alguém”, afirma.

Outro destaque negativo foi a ferrugem que tomou conta do topo de uma tenda que mantém a estrutura das lojas de “Bang Bang” e do “Sorveteiro Maluco”. “Se isso soltar, ganha força e pode se tornar um acidente fatal. É algo simples de resolver, não pode deixar chegar nesse estado.”

O teleférico, equipamento que cruza quase o parque inteiro, estava em péssimas condições, com ferrugem na estrutura que suporta a escada de acesso ao brinquedo, cabines e vidros quebrados. Em uma segunda visita, porém, a atração já se encontrava em manutenção. Para a especialista, a rápida resposta é um sinal positivo.

A Big Tower, uma das atrações mais famosas do Beto Carrero, aparentemente não teve problemas. Como a análise foi feita de forma anônima, os especialistas não puderam verificar todos os brinquedos por conta do acesso. “Acompanhamos os cliques, o desempenho do funcionário, a proteção e esses parâmetros estavam corretos, mas isso não significa que o brinquedo está em boas condições”, alerta a especialista.

Beto Carrero World. Foto: Divulgação

Beto Carrero World. Foto: Divulgação

Consumidor

Preços exorbitantes, filas intermináveis expostas ao sol e chuva e ausência de ambientes climatizados e bebedouros são as reclamações mais frequentes dos usuários, de acordo com a Proteste. Além disso, a prática do parque em proibir a entrada de alimentos e bebidas, forçando o visitante a consumir apenas o que é comercializado nas dependências, é considerada abusiva pela associação.

Com o estudo, a Proteste espera que os parques identifiquem os problemas apontados e realizem uma fiscalização interna o quanto antes. “O intuito desses locais é promover a diversão e não expor o consumidor a riscos”, diz a engenheira.

Acesso perigoso

Outro ponto reprovado no estudo foi o acesso ao parque para quem não vai de carro. Como é localizado na Rodovia Beto Carrero, quem está hospedado nos hotéis da redondeza ou quem vai de ônibus precisa cruzar a via expressa sem nenhuma segurança. “Muitas pessoas pegam as crianças no colo e correm para atravessar a rodovia. Não tem semáforos, faixa de pedestre ou um redutor de velocidade e, nesse ponto, isso é uma responsabilidade da prefeitura”, aponta.

Em resposta, a assessoria da prefeitura de Penha, município de Santa Catarina, explicou que a responsabilidade pela Rodovia Beto Carrero é do estado e, por isso, não há como intervir. Por outro lado, afirmou que há um projeto, atualmente elaborado pela Secretaria de Planejamento, para criar uma passarela que liga a rua Alfredo Brunetti, onde está a maior parte dos hotéis, à entrada do parque.

Visando evitar acidentes e proteger a integridade e segurança física dos consumidores, a Proteste enviou o resultado do estudo feito às Prefeituras, ao CREA e Corpo de Bombeiros exigindo fiscalização. Até o fechamento desta reportagem, nenhum dos órgãos se manifestou, inclusive o Beto Carrero World.

 

GAZETA DO POVO

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.