Redação

Curitiba: Capital do Paraná é a capital com 2ª menor taxa de pobreza do Brasil, segundo IBGE

Curitiba é a segunda capital do Brasil com menor taxa de pobreza. É o que apontam os dados da Síntese de Indicadores Sociais 2023 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o levantamento, Curitiba tinha 12,5% da população nesta condição em 2022, base dos dados do levantamento do IBGE.

Porto Alegre aparece em terceiro lugar no estudo com 13,5%, seguido de Goiânia (14,7%), Palmas (16%), Brasília (17,1%) e São Paulo (17,5%). Florianópolis lidera o ranking com 8,5%.

Os dados da Síntese de Indicadores Sociais do IBGE são baseados na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2022 (PNAD Contínua 2022) e reúnem informações sobre as condições de vida da população brasileira. A taxa de pobreza é medida pela proporção de pessoas com rendimento domiciliar per capita menor que US$ 6,85 (cerca de R$ 33) por dia.

Na avaliação do prefeito Rafael Greca, a Rede de Proteção Social de Curitiba e as ações de incentivo à geração de emprego e renda da cidade têm contribuído para garantir melhores condições de vida à população e também a segunda menor taxa de pobreza entre as capitais do Brasil.

“Nos últimos sete anos, minha gestão tem investido em ações que permitam garantir a todos uma Curitiba melhor, mais justa, mais inclusiva e mais solidária”, afirma Greca.

O prefeito lembra que estruturas e serviços foram ampliados e modernizados pela gestão para garantir uma acolhida mais digna para quem mais precisa, em especial a população em situação de rua.

“A Fundação de Ação Social (FAS) oferece hoje com uma ampla Rede de Proteção Social, que desenvolve várias ações de forma integrada para beneficiar a população em vulnerabilidade, em especial, pessoas em situação de rua na cidade, bem como famílias em risco social”, disse Greca.

Curitiba conta hoje com cinco hotéis sociais, uma república e mais 26 unidades de acolhimento (oficiais, como a pioneira Pousadas de Maria, e parceiros), além de três Centros POPs, que ofertam atendimento técnico durante o dia, inclusive, com encaminhamento para cursos profissionalizantes.

Combate à fome

O prefeito ressalta também que nenhuma cidade do Brasil tem a estratégia de segurança alimentar de Curitiba. “Nossos programas de combate à fome e acesso à alimentação barata e de qualidade são reconhecidos, inclusive, pelo governo federal”, recorda Greca.

O compromisso da atual gestão em garantir alimentação para as pessoas em situação de rua, que recebem refeições gratuitas em espaços adequados e com total higiene, se materializou a partir de 2019 com o Mesa Solidária.  Atualmente, são estas as cinco Mesas Solidárias, que já distribuíram 1,2 milhão de refeições – são até mil refeições por dia – para pessoas em situação de rua e pessoas carentes.

Tendo como grande símbolo o Restaurante Popular do Capanema, reaberto em 2018 por Greca, depois de décadas fechado e que chegou a ser usado como mocó, hoje o curitibano pode almoçar em cinco restaurantes populares, que oferecem 5.100 refeições por dia ao preço único de R$ 3. Não dá para comprar uma coxinha com esse valor.

Já os 35 Armazéns da Família de Curitiba beneficiam 1 milhão de curitibanos, com renda de até 5 salários mínimos, com gêneros alimentícios e itens de higiene e limpeza 30% mais baratos que nos supermercados.

A Rede de Segurança Alimentar de Curitiba ainda é referência nacional por suas 152 hortas comunitárias, que produzem 1.576 toneladas por ano de alimentos frescos e sem agrotóxicos para 17,9 mil pessoas; a Fazenda Urbana do Cajuru, referência em educação para a prática da agricultura urbana; os 11 pontos do Sacolão da Família, que oferecem hortifrútis a preço único; e as 4 Escolas de Segurança Alimentar (Patrícia Casillo, Dom Bosco, Casa Culpi e Vila Agrícola).

Ainda neste ano de 2024, a Prefeitura de Curitiba vai inaugurar a segunda Fazenda Urbana da CIC.

Geração de emprego

Greca ainda credita esta posição de Curitiba como segunda capital com menor taxa de pobreza ao compromisso da gestão em apoiar a geração de emprego e renda na cidade, com iniciativas do Vale do Pinhão. São programas como o Empreendedora Curitibana, o 1º Empregotech, o Empregotech 40+, os Worktibas, o Tecnoparque, o Paiol Digital e o Bom Negócio. 

Já as unidades Espaço Empreendedor são a porta de entrada para quem quer ser formalizar e se tornar um Microempreendedor Individual (MEI) em Curitiba.

“Curitiba é uma das cinco cidades com o menor tempo para abertura de empresas no País, com apenas 4 horas. Este diferencial estimula a abertura de novos negócios e, em consequência, geração de emprego e renda, com redução da pobreza”, acrescenta o prefeito.

Curitiba liderou a geração de emprego no Paraná em 2023. Foram criadas 12.792 novas vagas com carteira assinada de janeiro a dezembro, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego. Sozinha, a capital respondeu por 14,6% das vagas criadas no Estado.

As 10 capitais com menor taxa de pobreza do Brasil

  1. Florianópolis (SC) – 8,5%
  2. Curitiba (PR) – 12,5%
  3. Porto Alegre (RS) – 13,5%
  4. Goiânia (GO) – 14,7%
  5. Palmas (TO) – 16%
  6. Brasília (DF) – 17,1%
  7. São Paulo (SP) – 17,5%
  8. Campo Grande (MS) – 17,8%
  9. Vitória (ES) – 18,3%
  10. Belo Horizonte (MG) – 18,3%

*Com informações da SMCS

Nosso Dia

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.