Brasil

Curitiba é a cidade mais cara do país! Saiba como sobreviver neste tempo de crise

Com alta de 1,08% no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em novembro, Curitiba superou a média nacional (1,01%) e segue no topo do ranking nacional da inflação. No acumulado do ano, a capital paranaense contabiliza variação de 11,31%, contra 9,62% no país. Já nos últimos doze meses, o índice do IBGE fechou em 12,24% – ante 10,48% de média brasileira.

Diante do agravamento da crise econômica, a Tribuna consultou especialistas para saber que medidas o consumidor pode adotar em seu dia a dia para sobreviver neste cenário de reajuste de preços nos mais variados segmentos e fazer seu dinheiro render mais no final do mês (veja o quadro). Atitudes simples, como trocar a marca de um produto no supermercado ou mudar o meio de transporte, podem fazer uma diferença significativa no orçamento familiar.

Vilões

Os preços de alimentação e bebidas subiram 23,69% e puxaram a subida do IPCA curitibano. A capital paranaense também tem a sétima cesta básica mais cara do país, custando R$ 375,26 em novembro, de acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Segundo o economista e professor da FAE Business School Gilmar Lourenço, os indicadores inflacionários com dois dígitos “refletem aumentos de preços que são sentidos principalmente pelas pessoas que ganham menos, pois corroem a renda e pesam na capacidade de compra das famílias”.

Recessão

“Energia elétrica, transporte, combustíveis e o aumento do dólar elevaram o custo dos produtos vendidos no mercado interno. Hoje, o preço de 90% dos produtos está subindo. A desconfiança e a falta de credibilidade do governo agravam este cenário de inflação e recessão, que não deve mudar até o primeiro semestre de 2016”, acrescenta o economista.

Hiperinflação descartada

Para o economista Gilmar Lourenço, a inflação pode chegar ao patamar de 13% ao ano em março de 2016, mas não deve passar disto. “Os juros elevados fixados pelo Banco Central e a estabilização das tarifas públicas, que não devem ter novos reajustes, apontam esta direção. Mas ao longo dos últimos meses já batemos diversos recordes: entre abril de 2014 e dezembro de 2016, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve ter uma queda de cerca de 8%, isto representa a maior recessão da nossa história. Em 2015, as vendas do comércio varejista já caíram 8% e produção industrial encolheu 7,5%. O desemprego também chama a atenção, somando as pessoas que buscam e aquelas de desistiram, temos cerca de 11 milhões de pessoas sem trabalho”.

Baixo risco

No entanto, apesar dos números e das previsões pouco favoráveis, os economistas afirmam que o retorno da hiperinflação – que assolou o Brasil nas décadas de 80 e 90, com diversas remarcações diárias dos produtos e serviços – é pouco provável. “O risco da hiperinflação nas condições atuais, no curto prazo, é mínimo. Para que ela volte precisaria haver um agravamento da crise. No longo prazo, se a crise política se arrastar por mais de um ano, este risco subiria, por conta da falta de credibilidade do governo”, esclarece o economista e professor Daniel Poit.

 

PrOn

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.