Paraná

Duas cidades da Grande Curitiba estão entre as vinte mais violentas do país, diz Ipea

Duas cidades da região metropolitana de Curitiba, Piraquara e Almirante Tamandaré, aparecem na lista das cidades mais violentas do país, segundo dados do Atlas da Violência divulgado nesta segunda-feira (5) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). A pesquisa leva em conta cidades com mais de 100 mil habitantes.

Imagem ilustrativa – Banda B

De acordo com o estudo, Piraquara é a 8ª do ranking e registrou 91 homicídios e mortes violentas com causa indeterminada, uma taxa de 87,1 para cada cem mil habitantes. Já Almirante Tamandaré é a 17ª e apresenta 86 mortes para uma taxa de 76,2 para cada cem mil habitantes.

Curitiba teve 601 homicídios e mortes violentas com causa indeterminada, mas como a população em 2015 era de 1.879.355, apresenta uma taxa de 32,0 para cada 100 mil habitantes. Chama a atenção o fato de cidades como o Rio de Janeiro e São Paulo serem consideradas mais “pacíficas” que a capital paranaense.

Nacional

O Brasil registrou, em 2015, 59.080 homicídios. Isso significa 28,9 mortes a cada 100 mil habitantes. Os números representam uma mudança de patamar nesse indicador em relação a 2005, quando ocorreram 48.136 homicídios. Apenas 2% dos municípios brasileiros (111) respondiam, em 2015, por metade dos casos de homicídio no país, e 10% dos municípios (557) concentraram 76,5% do total de mortes.

No Paraná, houve uma queda de 23,4% na taxa de homicídios se comparado com 2005.

 

 

BANDAB

 

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.