Brasil

Famílias cortam gastos pelo 6º trimestre seguido e derrubam serviços

(FOLHAPRESS) – Com o desemprego nas alturas, salários reais em queda e endividamento elevado, as famílias cortaram ainda mais seus gastos de abril a junho deste ano. Isso fez o consumo no PIB registrar o sexto trimestre consecutivo de queda. Divulgado nesta quarta-feira (31) pelo IBGE, o PIB (Produto Interno Bruto), medida da produção e da renda do país, mostrou queda de 0,7% no consumo das famílias no segundo trimestre ante os três primeiros meses do ano. Na comparação com o segundo trimestre de 2015, o consumo registrou uma queda de 5%. Desta forma, acumula uma baixa de 5,6% neste ano e de 5,7% em quatro trimestres (equivalentes aos últimos 12 meses). O consumo das famílias é o principal componente do PIB pelo lado da demanda e foi o motor do crescimento econômico brasileiro na década passada, período marcado pela ascensão da renda e a formalização do emprego. “O consumo das famílias, que é o mais importante, continua puxando o PIB para baixo. Continuou caindo, mas a uma taxa um pouco menor”, Rebeca Palis, gerente de Contas Nacionais Trimestrais do IBGE. Os consumidores têm apertado o orçamento como podem, diminuindo a quantidade de produtos no carrinho de compras no supermercado, evitando comer fora de casa ou ainda adiando a troca do automóvel. Se existe algo positivo nos números é que essa queda do consumo das famílias já foi maior. Foi a primeira queda abaixo da casa de 1% desde o quarto trimestre do ano passado, quando o dado ainda registrava crescimento. A retomada do consumo ainda depende de uma melhora no mercado de trabalho. No trimestre encerrado em julho, a taxa de desemprego foi de 11,6%, a maior registrada desde 2012. Uma melhora só deve correr em 2017. Igor Velecico, economista do Bradesco, diz que o desemprego deve começar a ceder em meados do ano que vem, quando o mercado deve passar a gerar empregos suficientes para absorver o aumento da procura por vagas. “O PIB já parou de piorar. Ele deve começar a acelerar no início do ano que vem, o que vai permitir uma reação do mercado de trabalho, com uma defasagem de um a dois trimestres”, disse Velecico. SERVIÇOS O menor apetite do consumidor pesou no desempenho do setor de serviços. O PIB da atividade teve queda de 0,8% no segundo semestre deste ano frente aos três meses imediatamente anteriores. Quando comparado com o mesmo período do ano passado, o PIB de serviços encolheu 3,3%. Passou a acumular queda de 3,5% neste ano e de 3,6% em quatro trimestres, segundo os dados divulgados pelo IBGE. Dos ramos dos serviços, a maior queda ocorreu no ramo de transporte, armazenagem e correio, com queda de 2,1%. Intermediação financeira e seguros teve uma queda de 1,1% nessa comparação frente ao primeiro trimestre.

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.