Brasil

Fim do El Niño gera alerta de geada para o Paraná

O Paraná entra na reta final da colheita da safra de verão mas os produtores seguem monitorando constantemente os termômetros e pluviômetros. A preocupação agora se concentra nas áreas de safrinha, que dependem de um clima sem sustos para garantir boas produtividades. O caso mais emblemático é o do milho segunda safra que, com 83% da área já semeada no estado, pode ficar vulnerável a ocorrência de geadas previstas para o mês de maio. A avaliação dos meteorologistas é de que, com um inverno ”normal”, diferente do que ocorreu nos últimos dois anos, as temperaturas mais baixas podem ampliar ainda mais as incertezas.

De acordo com o meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia, Luiz Renato Lazinski, os últimos dois invernos foram mais quentes do que o normal, mas este ano teremos um clima típico da estação, com possibilidade de geadas em algumas regiões do Estado. “As áreas mais altas da região Centro-Sul e o Oeste tem mais chance de registrar geadas em maio. Mas se os produtores semearem a safrinha dentro da janela, o risco de a geada trazer estragos é menor”, diz. Já no Norte do Estado as chances de atingir o milho safrinha são pequenas.

Segundo a meteorologista da Somar, Nadiara Pereira, com o enfraquecimento do El Niño – fenômeno que trouxe excesso de chuvas para o Paraná e atrapalhou a colheita da soja no verão – as precipitações devem diminuir de intensidade em todo o Centro-Sul nos próximos meses. Para o inverno é esperada uma condição de neutralidade climática, o que deixará a estação com temperaturas mais baixas do que o ano passado, que foi bastante atípico. “As ondas de frio serão mais intensas, frequentes, persistentes e acontecerão mais cedo. Já a partir de abril podemos registrar quedas de temperatura, mas com risco geada apenas em maio”, explica.

O quadro já motiva um sinal de alerta no campo. “Existe, claro, uma grande preocupação dos produtores pois dependendo da intensidade do frio e de qual fase de desenvolvimento das lavouras vai ser atingida, pode comprometer a safra. Os agricultores precisam se precaver e plantar dentro da janela ideal, mas sempre haverá riscos”, afirma o economista do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (Seab), Marcelo Garrido.

Umidade

Enquanto o frio não vem, os produtores demonstram satisfação com a condição das chuvas. A avaliação é de que ainda há um bom índice de umidade no solo, favorecendo o desenvolvimento das lavouras recém-plantadas. E, ao contrário do que vem acontecendo com as lavouras de verão, as chuvas menos persistentes devem favorecer a colheita dos grãos de inverno. Conforme a Seab, 97% das lavouras de milho safrinha estão em condições boas ou excelentes no Paraná.

Gazeta do Povo

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.