Economia

Inflação de Curitiba fecha 2018 em 3,38%, acima da média nacional; combustível foi o vilão

A inflação oficial de Curitiba fechou o ano de 2018 em 3,38% – patamar superior a brasileira que ficou em 2,75%.  A evolução dos preços de produtos e serviços é medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e foi divulgada nesta sexta-feira, 11. Em 2017, ela havia ficado em 3,42% em Curitiba, também acima da média nacional de 2,95% para o período.

Após apresentar variação negativa (-1,87%) no ano de 2017, impulsionado pela safra recorde, o grupo Alimentação e bebidas encerra 2018 com uma taxa acumulada de 4,04% no Brasil. Esse grupo responde por cerca de 1/4 das despesas das famílias e foi o principal impacto no ano com 0,99 p.p.A safra de 2018 ficou cerca de 5% abaixo da do ano anterior, sendo a segunda melhor da série histórica.

Em Curitiba, com oscilação positiva de 4,49%, o custo geral da alimentação foi o quarto maior do país, à frente do registrado em Porto Alegre (6,11%),  Vitoria (4,95%) e Salvador (4,82%).

Cabe destacar que, no final de maio de 2018, ocorreu uma paralisação dos caminhoneiros ocasionando um desabastecimento que impactou os preços de diversos produtos alimentícios levando o grupo a apresentar uma variação de 2,03% em junho, a segunda maior para um mês de junho desde a implantação do Plano Real em 1994.

Em Curitiba, os preços dos alimentos para consumo em casa subiram 4,63%, enquanto a alimentação consumida fora de casa apresentou variação de 4,10%. Já a média nacional de preços dos alimentos para consumo em casa, cujo peso é 15,7%, apresentou alta de 4,53%, enquanto a alimentação consumida fora de casa, que pesa 8,8% no índice, apresentou variação de 3,17%.

O índice de 2018 foi influenciado, especialmente, pelas despesas com produtos e serviços dos grupos Habitação, com alta de 5,15% (4,72% Brasil), Transportes, com alta de 1,46% (4,19% no Brasil) e Alimentação e Bebidas, com alta de 4,04%. Juntos, estes três grupos somam 2,49 p.p., responsáveis por 66% do IPCA do País.

Em Curitiba,a variação positiva dos preços foi fortemente impactada pelo aumento de 16,07% de Combustíveis domésticos foi o que apresentou a maior alta isolada do grupo e também da média nacional, que ficou em 5,23% em 2018.

No grupo Educação, a oscilação positiva de 4,73% (5,32% nacional), foi puxada pelo desempenho de preços dos cursos regulares com alta de 6,35% (5,68% nacional).

No Brasil, o grupo Habitação, com 4,72%, foi o grupo que apresentou a segunda maior variação, com impacto de 0,74 p.p. Neste grupo, a principal influência veio do item energia elétrica, com variação acumulada no ano de 8,70% e 0,31 p.p. de impacto. Em 2018, a variação acumulada da energia elétrica (8,70%) ficou pouco abaixo da registrada no ano anterior (10,35%).

As regiões apresentaram variação entre -3,62% em Fortaleza e 17,67% em São Luís. Na primeira, o reajuste de 3,80% nas tarifas foi o menor dentre as áreas pesquisadas. Em São Luís, por sua vez, houve reajuste de 16,94%.

IPCA – Variação por regiões – mensal e acumulada no ano
Região Peso Regional (%) Variação (%) Variação Acumulada (%)
Novembro Dezembro Ano
Aracaju 0,79 -0,31 0,67 2,64
Rio Branco 0,42 -0,11 0,63 3,44
Salvador 6,12 -0,31 0,56 4,04
Belém 4,23 0,00 0,48 3,00
Rio de Janeiro 12,06 -0,02 0,40 4,30
Brasília 2,80 -0,43 0,32 3,06
Porto Alegre 8,40 -0,42 0,26 4,62
São Luís 1,87 -0,11 0,25 2,65
Recife 4,20 -0,11 0,18 2,84
Fortaleza 2,91 -0,07 0,07 2,90
Campo Grande 1,51 -0,31 0,06 2,98
São Paulo 30,67 -0,30 0,03 3,68
Belo Horizonte 10,86 -0,09 0,01 4,00
Vitória 1,78 -0,30 -0,01 4,19
Goiânia 3,59 0,12 -0,03 3,14
Curitiba 7,79 -0,26 -0,17 3,38
Brasil 100,00 -0,21 0,15 3,75

Fonte:IBGE

 

Bem paraná-11/01/2019

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.