ParanáPolítica

Juiz federal manda bloquear até R$ 166 milhões da família Richa

O juiz federal Paulo Sérgio Ribeiro, da 23ª Vara Federal de Curitiba, determinou o bloqueio de até R$ 166 milhões do ex-governador Beto Richa (PSDB), da ex-primeira-dama Fernanda Richa, de André Richa, filho do casal, e de duas empresas da família, a BFMAR Participações S/A e Ocaporã Administradora de Bens Ltda. O contador da família Richa, Dirceu Pupo Ferreira, que está preso, deve ter até R$ 4,5 milhões bloqueados. A decisão, que está em sigilo, foi revelada nesta sexta-feira (8) pelo jornal Gazeta do Povo.

Assinado no dia 28 de fevereiro, a despacho é referente à Operação Integração, desdobramento da Lava Jato, que investiga propina paga por concessionárias de pedágio. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), que pediu o bloqueio de bens, Dirceu Pupo utilizou dinheiro de propina, pago pelas concessionárias de pedágio a Beto Richa, em transações de imóveis, atividade central das empresas da família Richa. O MPF calcula R$ 2,7 milhões de propina.

Em fevereiro, o juiz acatou a denúncia contra o ex-governador e outros nove agentes públicos por empresas de pedágio no Paraná, além de denúncia por lavagem de dinheiro contra Fernanda.

Segundo o MPF, o esquema desviou R$ 8,4 bilhões por meio do aumento de tarifas de pedágio do Anel de Integração, e de obras rodoviárias não executadas. A propina paga em troca dos benefícios, conforme os procuradores, foi estimada em pelo menos R$ 35 milhões.

Beto Richa chegou a ser preso no dia 25 de janeiro, na 58ª fase da Operação Lava Jato. A defesa diz que o ex-governador não cometeu irregularidades e que sempre esteve à disposição para prestar esclarecimentos.

O MPF dividiu as acusações em duas denúncias. Essa envolve agentes públicos, como Beto Richa, Pepe Richa – irmão do ex-governador e ex-secretário de Infraestrutura e Logística do estado – e mais outras oito pessoas.

As denúncias sustentam que o esquema de pagamentos de propina pelas concessionárias de pedágio teve início há cerca de 20 anos. Conforme os procuradores, a corrupção elevou as tarifas de pedágio pagas pelos usuários, e fez com que apenas 25% das obras previstas fossem realizadas.

Segundo a Lava Jato, as concessionárias se comprometeram a duplicar 995,7 quilômetros de rodovias no início dos contratos, mas até hoje apenas 273,5 quilômetros foram duplicados.

“O prejuízo vai muito além e se estende sobre toda a cadeia produtiva do estado do Paraná que deixou de se valer de uma infraestrutura adequada. Nós temos uma infraestrutura de odovias muito pior do que nós deveríamos ter”, afirmou o procurador Deltan Dallagnol.

Ao justificar a decisão, o juiz federal observou que “embora indicativo de dilapidação do patrimônio não seja requisito para o sequestro e arresto de bens, há notícia nos autos de movimentação financeira por parte de Fernanda Richa, que resgatou para sua conta corrente a importância de R$ 614.081,40”. “Não obstante ser do conhecimento público que Fernanda Richa possui elevado patrimônio pessoal, a movimentação financeira de valor significativo no presente contexto pode significar tentativa de esvaziamento de suas contas justamente para evitar possíveis bloqueios judiciais”, escreveu o magistrado, segundo o jornal.

 

 

Bem Paraná

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.