Paraná

Mesmo debaixo de chuva, apoiadores da Lava Jato se mobilizam em Curitiba

Mesmo debaixo de chuva, apoiadores da Operação Lava Jato compareceram nesse dominho (17) a uma manifestação marcada para celebrar os cinco anos da força-tarefa, além de protestar contra decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF), que atribui à Justiça Eleitoral crimes relacionados a “caixa dois”, como lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

O ato começou por volta das 15 horas, na Boca Maldita, no Centro de Curitiba, no mesmo momento em que chovia na capital paranaense. A Polícia Militar (PM), que acompanhou a manifestação, não divulgou estimativa de público. Nenhuma ocorrência policial foi registrada. Apoiadores falaram em duas mil pessoas, com apoio de carro de som e participação de movimentos como Movimento Brasil Livre (MBL), Curitiba Contra Corrupção, Vem Pra Rua e outros.

Além de diversas outras cidades do País, no Paraná os atos ocorrem neste domingo em Londrina, Maringá e Apucarana, no Norte e no Noroeste do estado. No Litoral paranaense, em Matinhos, também há concentração de manifestantes.

Durante a manhã de domingo, manifestantes se reuniram em frente em Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília, para protestar contra a decisão da Corte que prevê que casos de corrupção e lavagem de dinheiro, quando investigados junto à caixa dois, sejam julgados pela Justiça Eleitoral. A manifestação começou por volta das 10h da manhã com cerca de 50 pessoas, que entoavam o Hino Nacional. A estimativa da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) é que, apesar da chuva, cerca de 100 pessoas, até as 11h, participavam do ato.

A representante do movimento Vem pra Rua em Brasília, Celina Gonçalves, considera a decisão do STF inadequada. Ela disse temer que a tramitação desse tipo de crime na Justiça Eleitoral fique travada e que os atos prescrevam. A manifestação foi organizada por grupos de pessoas, por meio de rede social na internet, e previam atos em várias cidades, entre elas, São Paulo e Rio de Janeiro.

Cinco anos

A Operação Lava Jato completou cinco anos nesse domingo (17) com novo juiz, mudanças na composição das equipes de investigação da Polícia Federal (PF) e a polêmica sobre a criação de um fundo com R$ 2,567 bilhões devolvido pela Petrobras devido a um acordo fechado com as autoridades estadunidenses, que está suspensa.

Da deflagração da primeira fase, em uma segunda-feira de 2014, decorreram outras 59 etapas, 49 sentenças e mais de 150 condenados. Ao todo, R$ 13 bilhões são alvo de recuperação por meio de leniências, acordos e Termos de Ajustamento de Conduta (TAC). Em condenações, da operação que criou diversas ramificações, são 2.294 anos.

Em 17 de março de 2014, a operação foi a campo, ganhou nome de sua “1ª fase”, inaugurou o método de trabalho e surgiu para a opinião pública que passou a acompanhar as investigações. A Justiça Federal, por meio do então juiz federal Sergio Moro, determinou 19 conduções coercitivas para depoimento na Polícia Federal, expediu 81 mandados de busca e apreensão e ordenou a prisão de 28 pessoas sob investigação – entre eles, o doleiro paranaense Alberto Youssef.

Três dias depois, a Lava Jato voltou ao destaque no noticiário ao prender o engenheiro Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras (2004-2012), apontando relação ilícita entre ele e o doleiro Youssef.

O ex-engenheiro foi solto em maio, após recurso no STF. Cerca de 20 dias depois, Costa voltou à prisão, após a Justiça reconhecer risco de fuga por causa de US$ 23 milhões encontrados na conta dele em um banco na Suíça.

Em agosto, dois meses após o segundo encarceramento, o ex-diretor da Petrobras assinou acordo de delação premiada. No mês seguinte, foi a vez do doleiro Youssef. Ambos passaram a ser peças fundamentais nas investigações do escândalo.

Passados cinco anos e desencadeadas 60 fases, a Lava Jato fez 91 acusações contra 426 pessoas físicas, nem todas processadas. Entre essas 63 pessoas foram acusadas de improbidade administrativa, junto com “18 empresas e três partidos políticos (PP, MDB e PSB)”, conforme o MPF. Mais de 180 pessoas denunciadas fizeram acordo de delação premiada e passaram a colaborar com as investigações.

A operação é resultado do trabalho da força tarefa que atua ainda hoje na operação com procuradores do MPF, policiais federais, auditores da Receita Federal, técnicos do Banco Central e do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

O juiz responsável pela maioria das condenações na 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba, Sergio Moro, foi nomeado neste ano ministro da Justiça e da Segurança Pública do governo de Jair Bolsonaro (PSL), principal adversário do condenado mais expressivo da operação, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Na última semana, a Operação Lava Jato sofreu dois revezes. Além da decisão do STF, de que a Justiça Eleitoral tem competência para investigar casos de corrupção quando envolverem simultaneamente caixa 2 de campanha e outros crimes comuns, como lavagem de dinheiro, que são investigados na Operaçã, no dia seguinte (15), o ministro do STF Alexandre de Moraes decidiu suspender o acordo feito entre a força-tarefa e os Estados Unidos que previa a criação de um fundo com dinheiro pago pela Petrobras em um acordo com autoridades dos Estados Unidos.

 

Bem Paraná

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.