Brasil

Preço de refrigerante e cerveja deve subir com mais imposto, diz associação

copos-de-cerveja-1418407496825_615x300O preço de refrigerantes e cervejas deve subir depois que entrar em vigor, em 1º de maio, a lei que aumenta impostos e altera o modelo de cobrança de tributos de bebidas frias (refrigerantes, cervejas, energéticos e isotônicos).

A mudança deve gerar aumento de 5%, em média, no preço final das bebidas para o consumidor, segundo Fernando Rodrigues de Bairros, presidente da Alfrebras (Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil).

A estimativa é que, com o aumento de impostos, a carga tributária cobrada do setor suba 10%.

“O preço sofrerá também o impacto da atualização da base de cálculo, já que a usada hoje é de 2012”, disse Bairros.

No novo modelo, a cobrança de PIS/Pasep será de 2,32% e a de Cofins, de 10,68%. O IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados) será de 6% para as cervejas e de 4% para as outras bebidas.

As alíquotas são fixas e vão incidir sobre o preço do produto ao sair da fábrica. Assim, itens mais caros pagarão mais imposto.

Hoje, os tributos do setor são cobrados utilizando-se um cálculo que leva em conta o volume, a embalagem e o preço do produto.

Bairros acredita que, a longo prazo, a mudança será vantajosa para a indústria. “Em um primeiro momento, o novo modelo é penoso para o empresário, mas depois será bom porque a alíquota igual para todo mundo vai trazer equilíbrio para o setor.”

Menos burocracia

O presidente da CervBrasil (Associação Brasileira da Indústria da Cerveja), Paulo Petroni, também acha a mudança benéfica.

“É um modelo menos burocrático, que permite planejamento das empresas porque elas vão saber com antecedência quanto vão pagar de impostos”, afirmou.

Sobre o repasse do aumento de tributos para o consumidor, Petroni prefere não fazer previsões e diz que será possível medir esse impacto até o final do primeiro semestre.

“Cada empresa vai tomar decisões sobre alteração de preço dentro da sua estratégia, já que quem aumentar o preço vai pagar mais imposto”, disse.

A cerveja foi um dos produtos cujo preço mais aumentou em 2014, de acordo com o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), medido pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Enquanto a inflação acumulada no ano foi de 6,4%, o preço da bebida subiu quase 10%. O preço de refrigerantes e água mineral também aumentou bastante no período, subindo 8,8%.

Portal UOL

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.