Brasil

Quase metade das cidades brasileiras vão fechar 2015 no vermelho

A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) estima que 43% das prefeituras do Brasil fecharão 2015 no vermelho. Esse número está em uma pesquisa realizada pela instituição com 4.080 municípios do país. Segundo a pesquisa, o impacto econômico está tendo um efeito direto nos serviços prestados pelas prefeituras: em 83% delas, serviços de saúde foram afetados, e em 71%, a crise atinge a educação. A conjuntura econômica, porém, não é o único problema: há também questões estruturais que levaram as prefeituras a essa situação.

Para o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, o número de municípios que vão fechar o ano no vermelho pode ser ainda maior. A pesquisa foi feita a partir de questionários, então muitos prefeitos podem ter desconsiderado o impacto do 13º e do terço de férias no mês de dezembro. Além disso, quase 1,5 mil municípios não participaram do levantamento – cerca de 25% do total.

A CRISE E OS MUNICÍPIOS: Confira os dados

Segundo Ziulkoski, os municípios acabam sendo responsáveis por “pagar o pato” no lugar da União e dos estados. Por exemplo: 68% das prefeituras registraram problemas com o recebimento em dia de recursos de convênios com o governo federal. Outros índices mostram a ausência de repasses dos estados: 40% dos prefeitos disseram ter problemas com o financiamento do transporte escolar, área que costuma ser custeada em convênios com os governos estaduais.

Problemas estruturais

A crise não explica, porém, os problemas por completo. Para Laerzio Chiesorin Jr., mestre em Direito do Estado e especialista em Direito Financeiro, a crise apenas evidencia problemas estruturais ainda mais graves. Um deles seria a falta de gestão profissional nas prefeituras, que impossibilita que os recursos disponíveis sejam bem aplicados e que as ações sejam bem planejadas.

“A quase totalidade dos municípios não tem administradores e economistas em seus quadros. Então você depende da sorte de eleger um bom administrador”, diz.

O resultado disso, aponta, são prefeituras que não conseguem gerir seus próprios recursos. Gastam em função de conveniência política, têm dificuldades em pagar fornecedores (o que aumenta o custeio, à medida que esses fornecedores acabam cobrando mais pelos produtos) e deixam de tomar medidas que aumentariam a receita por razões exclusivamente políticas – como, por exemplo, a não atualização das plantas genéricas de valor dos imóveis para o IPTU.

Ele ressalta, também, que a estabilidade dos servidores se tornou um problema para as prefeituras. “Na atual situação, o gestor não tem como atuar sobre sua maior despesa, que é o funcionalismo.” Além da obrigatoriedade de manter esses servidores independentemente de sua produtividade, há ainda o corporativismo: municípios se veem obrigados, mesmo em tempos de crise, a reajustar os salários do funcionalismo.

Por fim, o excesso de municípios pequenos, economicamente insustentáveis, agrava a situação. A maioria dos municípios do país não consegue arrecadar dinheiro suficiente para sustentar suas instituições políticas. Assim, ficam dependentes dos estados e da União

 

Gazeta do Povo

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.