Paraná

Sanepar registra 4 casos de roubos de medidores de água por dia na Região

Acordar, abrir a torneira e perceber que a caixa d’água está vazia é previsão de incômodo na certa. Mas, antes de reclamar para a Sanepar, a Companhia de Saneamento do Paraná, o consumidor deve checar se o hidrômetro, aparelho utilizado pela empresa para fazer a medição do consumo, está no lugar. O roubo da peça é mais comum do que se imagina em Curitiba e região metropolitana: de acordo com a assessoria da Sanepar, são registrados em média quatro furtos por dia.

Os furtos acontecem na maioria das vezes durante a noite. O aparelho, que custa entre R$ 35 e R$ 50 no mercado, é desmontado pelos ladrões, que vendem as peças de metal por um preço que varia de R$ 3 a R$ 7 o quilograma em locais de reciclagem. De acordo com a Sanepar, na maioria das vezes o hidrômetro é a peça mais procurada, mas há situações em que também são furtados o registro (peça que veda a circulação de água), tubos e conexões. Tudo é vendido como sucata.

O resultado pode seR desastroso: imóveis sem uma caixa d’água com grande capacidade podem ficar desabastecidos por até 48 horas, pois em caso de furtos das peças a água segue diretamente para a rua. E o consumidor pode ter de arcar com o custo das novas peças e da mão de obra.

Segundo a Sanepar, em 2016 foram registrados 2.109 furtos de hidrômetro ou outras peças em todo o Paraná, 1.446 deles em Curitiba e região metropolitana. Só nos primeiros seis meses deste ano, foram 946 ocorrências em todo o estado e 670 na Capital e nas cidades da região.

Segurança

A Sanepar está implantando um novo padrão de hidrômetro, com caixa de proteção no muro, que dificulta os roubos. O modelo subterrâneo, que também fica fora do alinhamento predial, também pode ser no modelo que pode ser trancado, permitindo o acesso apenas a pessoas autorizadas e a funcionários da Sanepar que fazem a medição do consumo.

Como proceder

O que é o hidrômetro? – É o aparelho pelo qual a Sanepar faz a medição do consumo de água. Os ladrões também podem roubar o registro (peça que veda a circulação de água), tubos e conexões

Por que ele é roubado? – Os ladrões vendem as peças de metal do hidrômetro como sucata, por um preço que varia de R$ 3 a R$ 7 o quilograma. também são furtados o registro (pela que veda a circulação de água), tubos e conexões

O que fazer? – O consumidor deve entrar imediatamente em contato com Sanepar, pelo telefone 0800 200 0115, e registrar boletim de ocorrência. O boletim poderá eximir o consumidor dos custos com a nova peça e a mão de obra. A polícia também recomenda que a ocorrência seja registrada, para mapear as os tipos de crimes mais comuns em cada região

Quem paga? – No caso de hidrômetros instalados dentro do alinhamento predial, os custos ficam por conta da Sanepar, caso o consumidor apresente o boletim de ocorrência

Como se proteger? – A Sanepar tem dois padrões de equipamento com dispositivos de segurança: a caixa de proteção subterrânea (instalada nas calçadas) e a caixa de proteção no muro (novo padrão). Ambos permitem que o hidrômetro fique trancado. Outros modelos não podem ser trancados, pois o funcionário da Sanepar precisa ter acesso ao equipamento para fazer a medição.

 

Bem Paraná

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.