Araucária

Falta de repasse de vacinas pelo MS tem alterado rotina nas unidades de saúde

Desde o ano passado, o Ministério da Saúde (MS) está tendo dificuldade em realizar o repasse regular de algumas vacinas para os municípios, afetando o processo de vacinação em todo o país. Em Araucária, no momento, as doses com maior redução de estoque são: tetra viral, hepatite A, antirrábica, tríplice bacteriana e poliomielite oral.

A Secretaria de Saúde de Araucária está preocupada com a instabilidade nas remessas que recebe, pois a falta acaba sendo um desestímulo para a imunização. “Se existe a procura espontânea do paciente por certa vacina e a mesma não foi regularmente reabastecida pelo Ministério da Saúde, o cumprimento do calendário vacinal do indivíduo e toda programação de imunização da população é afetada”, comenta o coordenador do Departamento de Atenção Básica de Araucária, Alexandro Radin.

Uma medida que município está tomando para tentar otimizar o uso das poucas doses recebidas é a regionalização temporária das salas de vacina. Entenda porque essa mudança no fluxo de atendimento está sendo realizada como alternativa no fluxo de distribuição das doses escassas.

Por que a regionalização?

Como os frascos de vacina contém várias doses e a vida útil do conteúdo líquido é de apenas algumas horas após aberto, para que não haja desperdício do pouco material que está sendo fornecido, as unidades de saúde foram agrupadas em regiões e as vacinas são agendadas para uma data e horário específico (na própria unidade ou em outra unidade da região), para que quando o frasco for aberto possa ser todo aproveitado. Ou seja, se for uma embalagem com dez doses, que as dez doses sejam utilizadas antes de perder a vida útil. Ressaltamos que a regionalização está sendo adotada apenas para a distribuição das vacinas em falta.

Como estão agrupadas as unidades por região

– Santa Mônica, Costeira, Shangrilá, Tupy

– Vila Angélica, Padre Chico, Dona Terezinha, Califórnia

– Industrial

– Boqueirão, CSU e CSA (referência para todas as UBSs do interior)

Vacina antirrábica apenas no pronto atendimento

Outra mudança que tem sido adotada é a ministração da vacina antirrábica, aplicada contra a raiva, apenas no Pronto Atendimento Adulto e Infantil de Araucária, para centralizar a distribuição, já que a quantidade disponível desta vacina também está muito reduzida.

“Estas adequações que temos feito são para tentar minimizar o impacto da falta dessas vacinas para a população. Claro que a situação que nos encontramos não é a ideal, mas como o Ministério da Saúde não tem se pronunciado sobre a previsão de uma solução, precisamos gerir as doses de maneira que cheguem ao máximo de pessoas possível”, opina a Diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Alexsandra Tomé.

Entre as justificativas utilizadas pelo Ministério da Saúde sobre os atrasos dos imunobiológicos estão: “desembaraço alfandegário” das importadas e indisponibilidade de fornecedores. Ou seja, mesmo que os municípios tentem adquirir as vacinas por conta própria, os fornecedores seriam os mesmos que entregam para o Ministério da Saúde e as mesmas dificuldades seriam encontradas.

 

SMCS

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.