ParanáPolícia

Caso Daniel: jogador foi morto por degola parcial e ouviu sentença de morte

Os laudos periciais sobre a morte do jogador Daniel Corrêa Freitas, anexados ao inquérito policial nesta quinta-feira (22), comprovaram que Edison Brittes recebeu ajuda para carregar o corpo do atleta até o local de sua morte, na Colônia Mergulhão, em São José dos Pinhais. Caracterizado como “sádico” pelo delegado Amadeu Trevisan, responsável pelo caso, Edison degolou quase que totalmente a vítima e, logo em seguida, teria decepado seu pênis.

Ao todo, três exames periciais foram realizados para elucidar o assassinato: o primeiro, no local em que o corpo foi encontrado, o segundo, no veículo e na casa da família Brittes e, o terceiro, novamente no local do crime – este, para esclarecer algumas dúvidas que teriam surgido durante o interrogatório dos indiciados.

Causa da morte

Paulino Pastre, diretor do Instituto Médico Legal (IML), afirmou, durante entrevista coletiva, que a causa da morte do jogador foi a degola parcial, que causou exposição da coluna cervical da vítima. “Nossa investigação chegou à conclusão de que a emasculação [decepação] aconteceu muito provavelmente após o ato da degola, mas não foi possível precisar o momento temporal, antes ou posterior. A principal característica é que a lesão da emasculação tinha pouco sangue, pouco coágulo. Era menos significativa na região genital do que no pescoço”, concluiu.

Para o diretor, as duas ações mostram que as lesões foram feitas com um objeto cortante extremamente afiado. “Foi utilizado instrumento cortante altamente afiado, que impregnou lesões bem severas e profundas, cortando a musculatura cervical profundamente, e na região genital também. Foram feitos cortes de bordas lisas e perfeitas, de forma que tal instrumento foi altamente afiado para isso”, explicou. Pastre esclareceu, ainda, que não foi identificado presença de sêmen no exame realizado no corpo de Daniel, o que exclui também a possibilidade de violência sexual. “Foram feitos exames genético e não foi encontrado nenhum sinal de violência sexual no corpo da vítima. O estudo detectou claramente a ocorrência de muitas lesões, principalmente em face e cabeça. Foram muitas lesões decorrentes de ações contundentes, como chutes, socos, e posteriormente a essas ações seguiu-se a degola e a emasculação”.

Além disso, o atleta não sofreu fraturas ou lesões intracranianas significativas. “Foram lesões externas e, também, lesões por instrumento cortante na região superciliar e na região temporal esquerda”.

Edison teve ajuda de outro indiciado

Os laudos periciais constataram, ainda, que Edison Brittes recebeu a ajuda de outra pessoa para carregar o corpo de Daniel por aproximadamente 20 metros, com pequenos sinais de arrasto pelo caminho. “A necropsia constatou lesões na região dorsal, mas não são muito significativas, o que quer dizer que o arraste deve ter sido realizado por duas pessoas, provavelmente uma segurando por um braço e outra segurando nos dois pés, havendo pouco encosto no chão. Por isso, a perícia no local não encontrou sinais de arrasto no solo, mas 20 metros carregando a pessoa impregnaria todos os sinais que nós encontramos, na região dorsal e na região lateral da coxa”, esclareceu o diretor do IML.

Para o delegado Amadeu Trevisan, responsável pelo caso, tais constatações afirmam a linha investigativa seguida pela Polícia Civil, de que um dos indiciados auxiliou Edison, autor confesso do crime. “Edison teve ajuda, possivelmente dos três que estavam junto com ele [Eduardo Henrique, Ygor King e David Willian]. Pelo menos um dos três ajudou a arrastar o corpo. Para matar, provavelmente foi somente o Edison, pois do que ele tira a vítima ainda com vida do porta-malas, ele já faz o esgorjamento [degola parcial]”, relatou.

Tortura começou dentro da casa

O fato de não haver a constatação clara do momento em que Daniel teve seu pênis decepado – antes ou depois da tentativa de degola – não interfere na investigação, de acordo com Trevisan. “Entendo que a tortura do Daniel começou já na residência. A tortura inicia quando ele começa a ser espancado no quarto, no corredor e na calçada, quando ele é colocado violentamente no porta-malas… toda essa dinâmica já traduz violência e tortura muito grandes”, afirmou o delegado. Além disso, as torturas não teriam sido apenas físicas, já que o jogador foi colocado vivo dentro do veículo. “O Daniel ouviu, muito provavelmente, que o Edison iria mata-lo”, relatou.

Para Trevisan, a dinâmica do crime aponta que Edison é uma pessoa “sádica, fria e de alta periculosidade” e, por este motivo, deve permanecer presa. “Ele é uma pessoa que não tem remorso. Deve permanecer preso, pois se solto vai colocar as testemunhas em risco e temor. As testemunhas vieram e falaram exatamente pois ele estava preso”, confirmou. Já em relação a Cristiana e Allana Brittes, Trevisan alerta sobre o fato de mãe e filha terem coagido pelo menos cinco testemunhas. “Elas permanecerem presas é uma decisão que compete ao poder judiciário. Por cinco vezes coagiram testemunhas, quiseram dissimular o resultado, esconder um fato, montaram uma história que a polícia desconstruiu”, disse, afirmando “ter certeza” de que o Ministério Público (MP) irá oferecer denúncia.

Casa e veículo foram lavados após o crime

Os laudos apontaram, também, o que já havia sido relatado em alguns depoimentos: a casa da família Brittes, assim com o veículo em que Daniel foi transportado, foram lavados. “São claros os sinais de que ambos locais haviam sido submetidos a limpeza, especialmente no veículo. Foram tiradas sete amostras, sendo quatro no veículo e três na residência”, relatou o perito geneticista Marcelo Malaghini. Tal prova reforça o crime de fraude processual, que já havia sido afirmada pela investigação policial, de acordo com o delegado Amadeu Trevisan.

Além disso, foi constatado o arrombamento da porta de fora para dentro, mas não foi possível definir em que momento isto aconteceu – antes ou depois do assassinato. “O que interessa para o inquérito é que o Edison realmente entrou no quarto, e nós sabemos que ele entrou pela janela. É irrelevante para mim isso da porta”, finalizou Trevisan.

Massa News – 23/11/2018

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.