Paraná

Servidores municipais protestam contra votação do pacote de reajuste na Câmara de Curitiba

O projeto de lei que concede 3% de reajuste para os servidores públicos municipais está na pauta de votação desta segunda-feira, 26, na Câmara de Curitiba. O Sindicato dos Servidores Municipais de Curitiba (Sismuc) promove a paralisação para protestar contra o índice. Os servidores querem reajuste de 9,48%, referente à inflação do período. O projeto de lei ainda fixa em definitivo a data-base para o mês de outubro.

A mudança é criticada pelos sindicalistas, que afirmam que o objetivo da mudança é de evitar protestos em anos eleitorais. Nestes anos, a lei eleitoral já proíbe reajustes acima da inflação 180 dias antes da data da votação. Assim, uma data-base em outubro enfraquece o movimento sindical desde abril – já que um aumento salarial não seria mesmo mais possível. Duas emendas foram apresentadas contra essa mudança. Elas serão votadas em plenário. As comissões de Economia e de Serviço Público da Câmara se reuniram aprovaram na semana passada o projeto, depois de um pedido do prefeito Rafael Greca, do PMN, para acelerar a tramitação.

O reajuste de 3% incidirá nos salários de novembro e dezembro, com impacto orçamentário de R$ 18,9 milhões no ano, e de R$ 102 milhões em 2019. Segundo parecer da Secretaria Municipal de Finanças, assinado por Caio Zerbato, são “valores suportados pelo Município, a partir das projeções de despesas e receitas até o final do exercício de 2018 e nos dois anos subsequentes”. A prefeitura diz que vai rodar uma folha salarial suplementar para conceder a correção ainda em novembro.

 

Bem Paraná- 26/11/2018

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.