Brasil

Bombeiros encontram locomotiva usada pela Vale em Brumadinho

O Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais encontrou uma locomotiva usada nas operações da Vale soterrada após a tragédia de Brumadinho (MG), ocorrida na Mina Córrego do Feijão, em 25 de janeiro de 2019. O rompimento da barragem da mineradora liberou no meio ambiente uma avalanche de rejeitos que destruiu comunidades, causou degradação ambiental e deixou 270 mortos. Passados quase dois anos e meio, ainda faltam encontrar os corpos de dez vítimas, e as buscas continuam.

A locomotiva foi localizada na tarde da última sexta-feira (1º), soterrada a uma profundidade de aproximadamente 15 metros, em um local distante 1,5 quilômetros do ponto inicial do rompimento. Embora a máquina não esteja associada a nenhuma das vítimas que estão sendo procuradas, ela é considerada peça relevante, segundo nota divulgada pelos bombeiros.

“Representa um importante avanço na inteligência e acurácia do nosso modelo preditivo, e por consequência, na localização das demais vítimas. As técnicas utilizadas pelo Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais conseguiram realizar essa localização em uma condição considerada extremamente difícil”, diz o texto.

Bombeiros encontram locomotiva que era usada pela Vale em Brumadinho

A máquina pertence à MRS Logística, empresa com a qual a Vale tem contrato de prestação de serviços. Os bombeiros farão agora buscas no entorno do local onde a locomotiva foi encontrada. A expectativa é de que possam ser localizados indícios e evidências que contribuam para a busca de vítimas.

A maioria dos mortos eram trabalhadores da mineradora ou de empresas terceirizadas que prestavam serviço na mina. Em maio, foi reconhecida a 260ª vítima após a conclusão do processamento do DNA do segmento de um corpo localizado em janeiro. É o do soldador Renato Eustáquio de Sousa, de 34 anos de idade.

Na ocasião, uma mensagem foi compartilhada por meio das redes sociais pela Associação dos Familiares de Vítimas e Atingidos do Rompimento da Barragem da Mina Córrego do Feijão (Avabrum), criada pelos familiares dos mortos na tragédia. “Renovamos as esperanças e seguimos motivados para continuar lutando pelo encontro agora das dez joias. Todos serão encontrados. Desistir não é uma opção”, diz o texto. 

A Avabrum contabiliza 272 mortes na tragédia porque inclui na conta os bebês de duas vítimas que estavam grávidas.

Devido às restrições decorrentes de pandemia da covid-19, as buscas foram interrompidas duas vezes. A primeira paralisação ocorreu de março a agosto do ano passado. Posteriormente, em 17 de março deste ano, os trabalhos foram novamente suspensos. A retomada ocorreu no dia 12 de maio.

Agência Brasil

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduada pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.