Redação

Paraná receberá nos próximos dias doses de reforço para trabalhadores da saúde e idosos

O Ministério da Saúde confirmou o envio de 176.670 vacinas contra a Covid-19 da Pfizer/BioNTech para o Paraná. Serão 146.250 para dose reforço (DR) de trabalhadores da saúde que tenham tomado a segunda dose (D2) ou dose única (DU) até 31 de março e 30.420 para DR de idosos acima de 60 anos que tenham finalizado o esquema vacinal também até 31 de março.

Os imunizantes fazem parte da 55ª pauta de distribuição do Ministério da Saúde, que deve incluir, ainda, 137.200 vacinas da AstraZeneca/Fiocruz para completar 100% da D2 da 30ª pauta (90.200 doses) e 59% de D2 da 31ª pauta (47 mil doses). Ao todo, o Paraná receberá 313.870 vacinas. As doses ainda não têm data confirmada para envio, mas devem chegar ao Estado ainda nesta semana.

“O Ministério já havia sinalizado o interesse em incluir idosos acima de 60 anos e trabalhadores da saúde na dose reforço e agora tivemos a oficialização dessa recomendação que é muito bem recebida aqui no Paraná. Estes grupos estão mais suscetíveis à contaminação pela doença e por isso há necessidade de reforçar a imunização”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

NOVAS ORIENTAÇÕES 

A nova remessa foi anunciada junto com a divulgação de três novas notas técnicas do Ministério da Saúde.

A nota nº 47/2021, da Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 (Secovid), estabeleceu a necessidade de administração de uma dose reforço para todos os trabalhadores da saúde que tenham recebido a D2 ou DU há pelo menos seis meses. Segundo a nota, a dose deve ser aplicada independente do imunizante usado na ocasião, considerando a importância da “adequação do esquema vacinal nestes indivíduos devido à sua maior exposição a Covid-19 e consequentemente maior risco de adoecimento, absenteísmo e complicações da doença”.

O órgão federal também atualizou as orientações referentes à coadministração das vacinas contra a Covid-19 e as demais vacinas do calendário vacinal. De acordo com a nota nº 1203/2021 da Coordenação-Geral do Programa Nacional de Imunizações (CGPNI), o Ministério da Saúde optou extinguir o intervalo mínimo entre as vacinas da Covid-19 e as demais vacinas em uso no País. Desta forma, as vacinas contra o coronavírus poderão ser administradas de maneira simultânea com as demais ou em qualquer intervalo. A recomendação se estende ainda à aplicação de imunoglobinas e/ou anticorpos monoclonais, bem como soros heterólogos.

Quanto à DR em idosos, a Secovid divulgou a nota nº 48/2021, expandindo a necessidade de dose reforço para idosos acima de 60 anos, que deverá ser usada também após seis meses da aplicação da D2 ou DU, independente do imunizante.

A vacina a ser utilizada para DR tanto de trabalhadores da Saúde quanto de idosos, deverá ser, preferencialmente, da plataforma de RNA mensageiro (Pfizer/Wyeth) ou, de maneira alternativa, vacina de vetor viral (Janssen ou AstraZeneca). A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) está alterando o Plano Estadual de Vacinação Contra a Covid-19 para incluir as novas recomendações do Ministério da Saúde.

AEN

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduada pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.