Araucária

Trabalhador sofre queda de 9 metros de altura e morre na Fafen em Araucária

Na manhã de hoje (17), um trabalhador terceirizado da empresa MANSERV foi vítima fatal de um acidente na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen-PR). O funcionário sofreu uma queda de uma altura de aproximadamente 9 metros durante a manutenção na unidade.

 

Para a diretoria do Sindiquímica-PR, essa foi uma das consequências das práticas adotadas pelas últimas gerências da Fafen-PR, que praticaram assédio moral e pressão sobre os trabalhadores – sujeitos a uma rotina estressante e até a punições, em caso de acidentes.

 

Em vez de se resolver a raiz dos problemas, investindo no aumento do quadro de trabalhadores, para o fim de terceirizações e políticas de segurança, as ingerências da Petrobrás na unidade perpetuaram e até reforçaram as práticas de assédio, de violências e o risco de acidentes aos trabalhadores.

 

Novamente, percebe-se como a terceirização é danosa, pois a vítima estava há muitos anos lotada na Fafen-PR como terceiro, sem nenhum amparo de segurança. Como de costume, a produtividade foi colocada acima da vida, tirando, de mais um trabalhador, o direito de viver. “O dia a dia dentro da Fafen-PR é de tensão, pois os trabalhadores são pressionados o tempo todo. Para os terceirizados, o problema é ainda mais greve, pois sofrem com mais assédio moral e menos condições de segurança para realização das suas atividades. É uma política de punição, ao invés de soluções, onde inclusive recentemente um trabalhador sofreu um acidente e ainda foi advertido pela gerência”, conta o diretor do Sindiquímica-PR e secretário da Saúde da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Gerson Luiz Castellano.

 

Por mais contraditório que seja, o gerente da Fafen-PR deixou o cargo recentemente para assumir a Política de Segurança, Meio Ambiente e Saúde (SMS) da Petrobrás. “A gente fica assustado, porque é esse gerente que está à frente das políticas de segurança da empresa. A vida é muito preciosa para que alguns gestores brinquem com ela”, afirma Castellano.

 

O Sindiquímica-PR e a FUP cobrarão para que seja realizada uma investigação séria, a fim de descobrir os reais motivos desse acidente. Este foi o primeiro acidente fatal em 34 anos de operação da unidade. As entidades também, neste momento, se solidarizam à família da vítima e esperam que a empresa não tente se isentar da responsabilidade sobre o acidente, como um dos gerentes já tentou fazer hoje pela manhã.

 

Ato

Amanhã (18), às 6h30, o Sindiquímica-PR, o Sindicato dos Petroleiros do Paraná e de Santa Catarina (Sindipetro PR/SC), e o Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Montagem, Manutenção e Prestação de Serviços (Sindmont) realizarão um ato em frente à Fafen-PR, como forma de indignação e revolta com o ocorrido. Os trabalhadores estão convocados para se juntar à mobilização, como forma de pressão para a prevenção dos acidentes nas unidades da Petrobrás.

 

INFORMAÇÕES SINDIPETRO

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.